Friday, November 09, 2007

O Abrantes e musa para o Poeta

gabriel-abrantes-buttpocalypse.jpg

florzinha roxa, dos-ventos-a-rosa, vem, diz - não me toques, rondando os limites - roça-me, apenas, tira de mim o pavor, destemida, na ronda da noite - naveguemos, condena-me, teu discípulo - cava, abre-me a nuca, faz de ti o meu paraíso negro -

sim, curvar-te-ei o corpo encarnado nas velas -

do nosso abismo.

2 comments:

Joj said...

A quem enfuna ele as velas?!

Anonymous said...

abrantes... o que fizeste tu às primas que ias por dentro da casa da musica? eu à espera das primas...e sais-me tu de cabeleira.